Reflexões

20 Exercícios para a Reforma Íntima

20_exercicios_para_reforma_intima

1. Executar alegremente as próprias obrigações.
2. Silenciar diante da ofensa.
3. Esquecer o favor prestado.
4. Exonerar os amigos de qualquer gentileza para conosco.
5. Emudecer a nossa agressividade.
6. Não condenar as opiniões que divergem da nossa.
7. Abolir qualquer pergunta maliciosa ou desnecessária.
8. Repetir informações e ensinamentos sem qualquer azedume.
9. Treinar a paciência constante.
10. Ouvir fraternalmente as mágoas dos companheiros sem biografar nossas dores.
11. Buscar sem afetação o meio de ser mais útil.
12. Desculpar sem desculpar-se.
13. Não dizer mal de ninguém.
14. Buscar a melhor parte das pessoas que nos comungam a experiência.
15. Alegrar-se com a alegria dos outros.
16. Não aborrecer quem trabalha.
17. Ajudar espontaneamente.
18. Respeitar o serviço alheio.
19. Reduzir os problemas particulares.
20. Servir de boa mente quando a enfermidade nos tira.

Por Francisco Cândido Xavier.

Oração de Agradecimento pelo Dia de Hoje

dia_de_hoje

Senhor meu Deus…

Talvez amanhã eu não mais esteja aqui – nada me garante que estarei –
e tudo o que houve ontem, agora está no passado.
Não posso mudar o que passou.

Só tenho o momento presente.
Devo usá-lo como se fosse o último e vivê-lo com Sabedoria porque logo
ele passará e estará perdido para sempre lá num canto do passado.

Assim me disponho:

A aprender a compaixão;
A ajudar os caídos a se levantarem;
A ser um amigo diante da inimizade;
A preencher com amor vidas vazias.

As agressões que pratico hoje talvez nunca mais possam ser corrigidas,
E os amigos que deixo de ganhar talvez eu nunca mais ganhe.
Poderei não receber outra chance de ajoelhar e agradecer
este momento presente.

Por isso me curvo diante de ti, meu Deus,
E agradeço de todo o coração o Dia de Hoje.

Texto extraído de um antigo blog da amiga Sandra Chagas

O Homem no Mundo

Não consiste a virtude em assumirdes severo e lúgubre aspecto, em repelirdes os prazeres que as vossas condições humanas vos permitem.

Basta reporteis todos os atos da vossa vida ao Criador que vo-la deu; basta que, quando começardes ou acabardes uma obra, eleveis o pensamento a esse Criador e lhe peçais, num arroubo d’alma, ou a sua proteção para que obtenhais êxito, ou a sua bênção para ela, se a concluístes.

Em tudo o que fizerdes, remontai à Fonte de todas as coisas, para que nenhuma de vossas ações deixe de ser purificada e santificada pela lembrança de Deus.

Texto extraído de O Evangelho Segundo o Espiritismo
Capítulo XVII : Sede Perfeitos : O Homem no Mundo

Por que o Espiritismo não se preocupa em aumentar o número de fiéis?

Quando dizemos que não queremos fazer adeptos, estamos deixando bem claro que o Espiritismo, mesmo no seu aspecto religioso – que ele também possui – não se constituiu em religião organizada, religião estruturada, com sistema clerical, um sistema litúrgico, seus ritos e sua dogmática. As religiões assim constituídas é que precisam de adeptos, não apenas para aumentar o número de filiados, mas também porque se baseiam no dogma da salvação. Todas essas religiões organizadas entendem que elas, e somente elas, estão com a verdade e que somente elas podem salvar o homem.

Então, a procura de adeptos por elas não corresponde apenas a um interesse social e econômico das igrejas, mas também a um interesse nobre e humano: o de salvar o próximo.

No Espiritismo isso não existe. Nós acreditamos que todas as criaturas estão a caminho da evolução. São indivíduos espirituais, desenvolvendo suas potencialidades internas para atingirem sempre planos superiores da espiritualidade. Cada um se salva por si mesmo. E Deus zela por todos, porque Deus é o poder supremo, inteligência suprema do Universo, criador de todas as coisas, não criando ninguém para se perder. Dessa maneira, Ele nos proporciona todas as facilidades para isso, independentemente das organizações humanas.

A busca da filosofia é justamente no sentido de encontrar a verdade. Mas ela não se impõe. Ela se comunica e os homens é que decidem se querem ou não aceitá-la. Mesmo porque cada filosofia que atinge um plano de verdade tem sobre si uma grande responsabilidade, a responsabilidade de haver encontrado uma solução para problemas que outras filosofias não encontraram. Assim, o Espiritismo não podia se esconder debaixo do alqueire, segundo a expressão de Jesus no Evangelho. Ele é a luz que deve ser colocado em cima da mesa para que ilumine toda a casa, para que transmita a sua luminosidade a todas as criaturas que dela necessitam.

Resposta dada por Herculano Pires no programa de rádio “No Limiar do Amanhã”, produzido pelo Grupo Espírita Emmanuel na década de 1970, onde Herculano era o apresentador.

Em Viagem

A existência terrestre é uma viagem educativa.

Começa na meninice, avança pelos caminhos claros da plenitude física e altera-se na noite da enfermidade ou da velhice, para renovar-se além da morte.

Repara, pois, como segues:

Não te agarres aos bens materiais, senão no estritamente necessário para que te faças valioso irmão no concurso aos companheiros de jornada e útil a ti mesmo.

Há muitos viajores que sucumbem na caminhada sob pesados madeiros de ouro a que se jungem, desvairados.

Não reclames devotamento afetivo do próximo, e, sim, ama e ajuda a todos os que se aproximem de ti, para que o teu amor não desça do alto aos tenebrosos despenhadeiros do exclusivismo.

Muitos peregrinos enlouquecem o coração no mel envenenado das afeições doentias e demoram-se longos séculos na corrente viscosa do chardo.

Não prossigas viagem guardando ressentimento, para que não aconteça te prendas impensadamente aos labirintos do ódio.

Muitos viajantes, a pretexto de fazerem justiça, tombam, insensatos, em escuras armadilhas da crueldade e da intriga, da calúnia e da maledicência, com incalculáveis prejuízos no tempo.

Recorda que iniciaste a excursão terrestre sem qualquer patrimônio e encontraste carinhosos abraços de mãe que te embalaram, amparando-te, em nome do Eterno.

Lembra-te de que nada possuis, à frente do Pai Celestial, senão tua própria alma e, por isso mesmo, só em tua alma amealharás os tesouros que a ferrugem não consome e que as traças não roem.

Prazer e dor, simplicidade e complexidade, escassez e abastança, beleza da forma ou tortura da carne, são simplesmente lições.

O caminho do mundo que atravessas cada dia é apenas escola.

Teus afetos mais doces são companheiros com tarefas diferentes das tuas.

Segue sem imposição, sem preguiça, sem queixa e sem exigência.

O corpo é o teu veículo santo. Não lhe conspurques a harmonia.

A experiência é tua instrutora. Não lhe menospreze o ensinamento.

O próximo de qualquer procedência é teu irmão. Não o abandones.

O tempo é o empréstimo divino que recebeste do Céu para a edificante peregrinação. Valoriza-o com o teu aprimoramento no amor e na sabedoria.

E, aceitando Jesus por Mestre, em teus passos de cada hora, guarda a certeza de que, em breve, atingirás a alegria do sublime retorno ao nosso Divino Lar.

Emmanuel
Página recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier
durante reunião pública da noite de 20/07/1953, em Pedro Leopoldo.


Vida Após a Morte

Em 1857 Allan Kardec lançou O Livro dos Espíritos. Com este livro, raiou para o mundo a era do espírito que traz para a humanidade novos rumos:

  • Que o ser humano compõe-se de Espírito, Perispírito e Corpo.
  • Que o Espírito é o ser principal, racional, inteligente.
  • Que o Perispírito é o invólucro fluídico permanente, com o qual circulamos no plano espiritual após a morte do corpo.
  • Que o Corpo é o invólucro material que reveste o Espírito encarnado.
  • Que existem, portanto, dois mundos:
    • Corporal, composto de Espíritos encarnados;
    • Espiritual, formado por Espíritos desencarnados (Você agora é um Espírito encarnado no planeta Terra).
  • Que você terá conhecimento de onde veio; porque vive na Terra; e para onde você vai após a morte do corpo.

O Espírito é um ser imortal. A morte do corpo não é mais do que a ruptura dos laços que o retinha cativo.

Para saber mais, leia os livros de Allan Kardec.


Oração de Santa Bernadette Soubirous

“Pela extrema pobreza em que viveram papai e mamãe, pelo pão da amargura e da fadiga, pela ruína do moinho, pelas ovelhas sarnentas… Obrigada meu Deus!

Santa Bernadette Soubirous

Pela boca a mais que eu era, pelas crianças a que socorremos e pelas ovelhas guardadas, obrigada!

Dou-te graças, meu Deus, pelo procurador, pelo comissário, pelos policiais e pelas duras palavras do padre Peyramale!

Não saberei agradecer-te senão no Paraíso, Virgem Maria, pelos dias em que vieste e pelos outros em que não vieste!

Pela bofetada da senhora Pailhassom, pelos sarros e ofensas, por aqueles que me tinham como louca ou mentirosa e pelos que me julgavam ambiciosa… Obrigada minha Mãe!

Pela ortografia que nunca aprendi, pela má memória que sempre tive, pela ignorância e pela minha patetice, obrigada! Agradeço-te, porque se tivesse existido na Terra uma menina mais ignorante e mais parva, Tu, Maria, a teria escolhido.

Pela minha mãe que morreu longe de mim, pela dor que senti quando meu pai, em vez de abraçar a sua pequena Bernadette, me chamou de “Irmã Marie-Bernard”, obrigada Jesus. Agradeço-te por teres enchido de amargura este coração demasiado sensível!

Pela Madre Josefina que disse que não sirvo para nada, obrigada!

Pelo desprezo da Madre Mestra, pela sua dura voz, severidade e ironia e pelo pão duro da humilhação, obrigada!

Graças por ter sido tão privilegiada na censura dos meus defeitos que as outras tenham podido dizer de mim: “Não há nenhuma como tu”.

Obrigada por ter sido Bernadette, aquela que que ameaçavam de prisão por ter visto a Virgem Santíssima; por ter sido essa Bernadette tão insignificante e vulgar que, ao verem-me diziam: “Ela é só isto!”, a Bernadette que as pessoas olhavam como um animal raro!

Por esse corpo de meter dó; por essa doença que queima como fogo; pela minha carne apodrecida; os meus ossos cariados, suores e febre; pelas terríveis dores que sinto. Obrigada, meu Deus!

E, por esta alma que me deste, pelo deserto das securas interiores, pelas Tuas noites e pelos Teus fulgores; os Teus silêncios e os Teus raios; por tudo, por Ti ausente ou presente, obrigada Jesus!


Marie-Bernard Soubirous ou Maria Bernarda Sobeirons (07/01/1844, Lourdes, França – 16/04/1879, Nevers, França) foi uma religiosa francesa, canonizada pela Igreja Católica. É conhecida por ter sido a menina a quem a Virgem Maria apareceu em Lourdes, na França, por 18 vezes, no mesmo local, entre 11 de fevereiro e 16 de julho de 1858.


Os Anjos falam através das pessoas

A Oração de Santa Bernadette acima me foi entregue num folheto por uma jovem desconhecida chamada Iara – com marcas no papel que sugerem já ter sido manuseado antes – no dia 21/12/2020 por volta das 18 horas na Catedral de Santa Luzia, em Mossoró-RN, quando me encontrava em alto sentimento de tristeza, num dos bancos da igreja, após o término da missa de sétimo dia do desencarne de minha amada mãezinha (Nena), ocorrido no dia 15/12/2020.

Ao sair de sua residência para assistir a missa naquela tarde, um sentimento a fez pegar o folheto e levá-lo, pois segundo a mesma alguém naquele local necessitaria de um conforto espiritual. Assim a Iara me falou: “Ao sair de casa algo me instruiu a entregar esse folheto para alguém nessa igreja hoje. Este alguém é você!”.

Após ler o folheto em silêncio e sozinho, dirigi-me até onde ela se encontrava sozinha em outro ponto da Catedral, onde pude desabafar um pouco sobre a intensa dor que sentia naquele momento. Ela, muito carismática e atenciosa, escutou-me e em seguida tranquilizou-me a respeito da situação espiritual de minha mãe, que em suas palavras – e após meus relatos acerca de sua vida de resiliência e resignação, além de extrema fé em Deus – falou-me dos diversos níveis de santidade existentes e da providência Divina.

Naquele início de uma noite triste para mim, Iara falou-me por um Anjo, concluindo nossa conversação assim dizendo-me:

Tranquilize-se! Sua mãe é hoje uma Santinha no Céu!

Assim seja!