Renomeando arquivos de banco de dados no SQL Server

Renomear arquivos de bancos de dados no SQL Server não é como renomear um arquivo .DOCX do Word. Alguns procedimentos precisam ser seguidos para preservar a integridade do banco de dados. Abaixo descrevo como eu realizo tais procedimentos.

Primeiramente, no SQL Server Management Studio, renomeio o banco de dados desejado diretamente no Object Explorer, utilizando o menu de contexto, conforme figura 1.

Figura 1. Renomeando o banco de dados no Object Explorer do SSMS.

Após a execução do comando, o banco de dados deverá ser exibido com o novo nome, conforme figura 2.

Figura 2. Banco de dados renomeado no Object Explorer do SSMS.

Se isso fosse o bastante seria bom demais. Mas não é assim que funciona (a não ser que você não se importe em ter um nome físico do arquivo de banco de dados diferente do nome apresentado no Object Explorer, o que não é o meu caso). Meu desejo é ter o mesmo nome do banco de dados, tanto lógica como fisicamente, então o primeiro passo já foi feito. Vamos em frente!

Antes, porém, vou mostrar que apenas o procedimento acima não foi o bastante resolver a questão. Para isso, novamente no Object Explorer, utilizo o menu de contexto para exibir as propriedades do banco de dados que acabei de renomear, conforme figura 3.

Figura 3. Exibindo as propriedades do banco de dados no SSMS.

A janela de propriedades do banco de dados é apresentada. Clique na opção Files e preste atenção aos detalhes na figura 4.

Figura 4. Database Properties.

Mesmo indicando que as propriedades são do banco de dados renomeado para NOVO_NOME, as propriedades Logical Name e File Name permanecem como antes: NOME_ATUAL.

Depois de muito pesquisar, encontrei uma dica na Internet num post de 2009 do blog dba-sqlserver.blogspot.com e foi dessa dica que consegui resolver o meu problema e publicar este post.

💡 Dica: O script abaixo exibe os nomes lógico e físico do banco de dados.

Figura 5. Script para mostrar os nomes lógico e físico do banco de dados.

Repare que mesmo já tendo alterado o nome do banco de dados para NOVO_NOME, via Object Explorer, o resultado da execução do script acima mostra que os nomes lógico e físico ainda se mantêm como antes.

Figura 6. Resultado da execução do script para mostrar os nomes lógico e físico do banco de dados.

Partindo para a resolução do problema, os procedimentos, a partir deste ponto, são divididos em três fases: 

Fase 1 – Execução do script abaixo.

Figura 7. Script para definir novos nomes para os arquivos de dados e log do banco de dados.

Fase 2 – Renomeação dos arquivos .MDF e .LDF usando os comandos para renomear arquivos do Windows, via Windows Explorer ou Prompt de Comando.  

Fase 3 – Execução do script abaixo.

Figura 8. Script para reativar o banco de dados após renomeados os arquivos físicos.

Pronto! Se tudo ocorreu bem, ao executar novamente o script da figura 5 o resultado final deverá ser mostrado conforme imagem abaixo.

Figura 9. Resultado final mostrando os arquivos devidamente renomeados.

Este foi meu primeiro post sobre minha experiência como DBA usando o SQL Server. Que seja o primeiro de muitos outros que possam agregar conhecimento a respeito deste fantástico sistema gerenciador de bancos de dados.

Ingenuity faz história: o primeiro voo em Marte

Mais um marco histórico da genialidade humana na exploração espacial. A NASA confirmou que realizou com sucesso o primeiro voo de um artefato humano em outro planeta nesta segunda-feira, 19/04/2021.

O voo do Ingenuity foi autônomo. Ele voou por sistemas de orientação, navegação e controle a bordo, executando algoritmos desenvolvidos pela equipe do JPL da NASA.

Sombra do Ingenuity projetada no solo marciano quando planava a 3 metros de altura.

Como os dados devem ser enviados e devolvidos do Planeta Vermelho ao longo de centenas de milhões de quilômetros usando satélites em órbita e a Rede de Espaço Profundo da NASA, o Ingenuity não pode ser pilotado com um joystick, e seu voo não foi observável da Terra em tempo real.

Primeiro voo em Marte com o Ingenuity.

Outro fato também histórico: Na semana passada, durante os testes iniciais, um problema no software fez com que o helicóptero não conseguisse atingir a rotação mínima de 2400 rpm necessária para realização do voo. Corrigido o problema no algoritmo aqui na Terra, foi realizado o primeiro upload de uma versão completa de controle de um artefato em outro planeta, a uma taxa de transmissão de 0,4 Mbps. Depois dos testes no final de semana, o Ingenuity conseguiu atingir os requisitos, ficando pronto para o voo inaugural que aconteceu hoje.

De parabéns a NASA por mais uma missão inédita com sucesso e que, com certeza, abrirá as portas para novas missões com fins específicos de realização de sobrevoos em Marte.

Para maior produtividade: use um mouse sem fronteiras

Na era da informação, o uso da máquina – entenda-se computador – é indispensável no exercício de qualquer atividade profissional ou de estudo. Nesse contexto, a busca por maior produtividade passa por certo “conforto” no uso das ferramentas disponíveis – continuo me referindo ao uso do computador. E é nessa perspectiva que a genialidade dos analistas e desenvolvedores de aplicativos vem nos socorrer.

Já faz algum tempo – na verdade, faz tempo pra caramba – que os monitores dos computadores deixaram de ter aquele formato um tanto quadrado (com relação de 4:3) e passaram a ter uma melhor proporção largura x altura (com 16:9 de aspecto) que nos possibilita a divisão da tela – com relativo conforto – por dois aplicativos simultâneos.

Com um monitor assim, podemos usar o Microsoft Word ocupando metade da tela para digitarmos um documento qualquer, enquanto na outra metade podemos usar o navegador Microsoft Edge para realizar nossas pesquisas na Internet, por exemplo.

tela_dividida
Figura 1 – Aspecto de um monitor de computador com dois aplicativos de produtividade compartilhando uma tela de aspecto 16:9.

Ainda assim nada substitui o conforto do uso de dois – ou mais – monitores num computador.

Sou analista e desenvolver de sistemas e no meu dia a dia no trabalho utilizo dois computadores, cada um com dois monitores. Ou seja, tenho quatro monitores ao meu redor. Isso não é exagero, mas antes um recurso fundamental para minha produtividade! Para desempenhar minhas atividades diárias seria contra-produtivo trabalhar utilizando apenas um único monitor.

Tá, tudo bem, mas em casa? Em casa eu tenho apenas um PC, com apenas um monitor, além de meu notebook. E é aqui onde a coisa pode ficar interessante!

Justamente por causa desse tipo de situação, o pessoal do projeto Microsoft Garage desenvolveu um aplicativo chamado Mouse without Borders  que permite o controle e compartilhamento de recursos entre dois computadores – tipicamente um PC com um notebook –, a partir de um dos equipamentos, utilizando-se de uma mesma infraestrutura de rede local (como a rede Wi-Fi que temos no trabalho e em casa).

Como posso fazer isso? Bem, a ideia é simples: colocar o notebook ao lado do monitor do PC e usar o aplicativo Mouse without Borders em ambos os dispositivos para permitir o controle dos mesmos a partir de um único teclado e mouse.

Que ideia incrível, não é mesmo? Com isso, além de passar a ter dois monitores, lado a lado, podemos usar do poder de processamento e memória dos dois dispositivos para tarefas distintas.

  • Microsoft Garage é um projeto dos laboratórios da Microsoft que permite que seus funcionários trabalhem em pesquisas que muitas vezes não têm nenhuma relação com a sua principal função dentro da empresa. Nesse projeto, os desenvolvedores podem usar de sua criatividade para criar soluções que possam lhes trazer maior produtividade e conforto no dia a dia. Isso é que é empresa! Thumbs up

Veja o meu caso em particular, usando o exemplo no início deste post:

Posso manter o editor de textos Microsoft Word em tela cheia no meu PC – que possui um monitor maior e mais confortável para leitura e digitação – enquanto utilizo o navegador Microsoft Edge no meu notebook, para fazer as pesquisas na Internet. Isso tudo sendo controlado a partir do teclado e mouse do meu PC, que são bem mais confortáveis que o teclado e touchpad  do notebook. Posso fazer isso sem sequer precisar tocar no notebook, bastando arrastar o ponteiro do mouse para além da fronteira da tela do PC, de acordo com o lado ao qual esteja posicionado o notebook.

usando_mouse_without_borders
Figura 2 – Aspecto de meu home office, onde utilizo meu notebook como monitor secundário para minhas atividades no PC através do aplicativo Mouse without Borders, controlando tanto o PC como o notebook com um único teclado e mouse, proporcionando maior produtividade.

Em meu home office utilizo o notebook à esquerda do monitor do meu PC, então para acessar o conteúdo do notebook eu simplesmente arrasto o ponteiro do mouse para além da lateral esquerda do monitor de meu PC e instantaneamente – como num passe de mágica – o ponteiro do mouse aparece no monitor do notebook.

A partir desse instante, o teclado e o mouse – conectados ao meu PC – passa a controlar o notebook. O procedimento inverso também é válido, ou seja, quando forço o ponteiro do mouse além da lateral direita da tela do notebook, o teclado e o mouse passa a ser novamente do PC.

Então, isso seria útil às suas atividades? Se sim, baixe o aplicativo gratuitamente no link oficial do projeto Microsoft Garage e passe a ter “dois monitores” no seu ambiente de trabalho ou em casa usando os dispositivos que já possui, sem qualquer custo adicional. Winking smile

Link para download do aplicativo gratuito Mouse without Borders:
https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=35460

Se quiser relatar algo a respeito de como você usa seu PC e seu notebook ou o que você faz para aumentar sua produtividade, fique à vontade em usar os comentários deste post.