Festival de Agosto

Agosto de 2016 foi um mês especial pra quem gosta de observar o céu como eu.  Na verdade, o show começou lá por volta do mês de junho, com o “alinhamento” de nossa Lua com os planetas Saturno e Marte, conforme figura 1, mas teve seu ápice em agosto.

facebook_900_2016-06-19-221156
Figura 1. Alinhamento planetário: Lua – Saturno – Marte, visto a partir do céu de Mossoró, RN, na noite de 19/06/2016.

Durante todo o mês de agosto, sempre a partir do entardecer, os cinco planetas do nosso sistema solar que são visíveis a olho nu estiveram dando um show no céu, chamando a nossa atenção a observa-los sem a necessidade de qualquer equipamento astronômico, como binóculos, lunetas e telescópios, bastando apenas que levantássemos nossa vista para o céu, sempre a partir do pôr do sol, na direção oeste e continuando em direção ao alto do céu.

Estiveram em conjunção planetária – um termo astronômico que significa a máxima aproximação visual entre dois objetos – os planetas Vênus, Júpiter e Mercúrio (aqui elencados em ordem de tamanho aparente) sempre próximos ao horizonte oeste, logo após o pôr do sol, conforme figura 2, e os planetas Marte e Saturno, no alto do céu após o anoitecer, conforme figura 3.  Em diversas oportunidades a nossa Lua apareceu na festa pra abrilhanta-la mais ainda.

facebook_900_2016-08-06-181518_legenda
Figura 2. Alinhamento planetário visto no céu de Mossoró, RN, no anoitecer de 06/08/2016.

facebook_900_2016-08-21-205211
Figura 3. Alinhamento dos planetas Marte (ponto mais abrilhante) e Saturno (ponto brilhante no quadrante superior direito), visto no céu de Mossoró, RN, na noite de 21/08/2016.

No entardecer do dia 27/08/2016, um sábado, o espetáculo entre Vênus e Júpiter atingiram o seu ápice, pois estiveram em máxima conjunção – com menos de 1° de arco celeste, dependendo do ponto de vista pode atingir apenas 4 minutos de arco – dando a impressão de estarem coladinhos um no outro, conforme figura 4.

facebook_900_2016-08-27-180106
Figura 4. Panorâmica do anoitecer em Mossoró, RN, em 27/08/2016, quando observa-se claramente a conjunção planetária entre Vênus (ponto mais brilhante e abaixo) e Júpiter, coladinho acima.

Para se ter uma ideia de quanto é pequena essa separação aparente dos dois planetas, o disco lunar ocupa cerca de 30 minutos de arco na esfera celeste.

Nesta data, no entanto, os planetas Vênus e Júpiter estavam, respectivamente, a 230 milhões e 952 milhões de Km de distância da Terra e mais de 700 milhões de Km entre eles, que inclusive ocupam regiões bastante distintas do nosso sistema solar, estando Vênus na região mais próxima do Sol, em relação a Terra, enquanto Júpiter está situado numa região bem distante do Sol, mas que, em virtude de seu tamanho – o maior dos planetas do nosso sistema – pode ser observado facilmente a olho nu.

facebook_900_2016-08-27-181627
Figura 5. Ápice da conjunção planetária entre Vênus e Júpiter (pontos mais brilhantes à direita na imagem). De brinde, o planeta Mercúrio (pequeno ponto na extrema direita da imagem).

Apontando para cima Uma curiosidade a respeito deste fenômeno é que muitos cientistas acreditam que o mesmo ocorreu à época do nascimento de Jesus Cristo, sendo referenciado nos textos sagrados como a famosa “Estrela de Belém” ou “Estrela de Natal” que serviu de guia aos reis Magos.

O espetáculo do “alinhamento” dos cinco planetas visíveis a olho nu começou no mês de junho, esteve presente durante os meses de julho e agosto, e encerrará nos primeiros dias do mês de setembro.

Anúncios

Montando o Sistema Solar – 2ª Etapa (Fase 1): Vênus

Primeira etapa concluída, agora começa a 2ª etapa do projeto,  a maior das três, com 10 fases no total. 

Neste post mostrarei como está o projeto após a inserção do planeta Vênus e a engrenagem gravada que tem a função muito precisa de comprovar a posição dos planetas em um determinado momento, mas primeiro vamos saber mais um pouquinho sobre o nosso vizinho mais próximo. Smiley nerd

Vênus – o planeta infernal

Apesar de receber o nome da deusa romana do amor e da beleza, Vênus é o mais próximo que se pode imaginar de um mundo infernal, devido a sua atmosfera tórrida, asfixiante e hostil a qualquer forma de vida, mantendo praticamente constante uma temperatura média na superfície de 465º C e uma atmosfera composta na sua maior parte por dióxido de carbono (CO2), que exerce uma pressão sobre a superfície 100 vezes maior que a da Terra, e ácido sulfúrico condensado que provoca chuvas ácidas de grande poder corrosivo. Ou seja, qualquer objeto que alcance a superfície do planeta logo será destruído, queimado e fundido.  Tudo isso ao mesmo tempo!

Vênus situa-se a uma distância média de 108 milhões de quilômetros do Sol e, portanto, a cerca de 48 milhões de quilômetros da Terra em sua maior aproximação.  Sua massa equivale a 0,82 Terras e sua gravidade corresponde a 0,9 da força gravitacional terrestre.  Com um período de translação correspondente a 225 dias terrestres e com uma rotação a cada 243 dias terrestres, em Vênus 1 dia é mais longo que 1 ano! Estranho né?  Estranho também é saber que Vênus gira em direção contrária em relação aos demais planetas (rotação).  É realmente um planeta estranho. Smiley surpreso

Destaque no céu

Depois do Sol e da Lua, é o corpo celeste que mais se destaca no nosso céu nos finais de tarde/início de noite e ao amanhecer, sendo facilmente reconhecido, conforme podemos constatar na imagem a seguir, onde foi fotografado por mim em 04/08/2013, logo após o pôr do Sol.

extras_venus_mossoro
Figura 1 – Vênus facilmente destacado no céu logo após o pôr do Sol.

O brilho intenso de Vênus, além da proximidade com a Terra, ocorre pelo fato do planeta ser encoberto por uma grossa camada de nuvens (veja figura 2) que refletem até 80% da luz do Sol que incide no planeta, sendo praticamente impossível visualizar sua superfície sem o uso de equipamentos especiais (veja figura 3).

extras_venus_2
Figura 2 – Vênus visto sem o uso de equipamentos especiais.  A grossa camada de nuvens impede a visualização de sua superfície.

extras_venus
Figura 3 – Aspecto da superfície de Vênus revelado após um conjunto de imagens obtidas por RADAR pelas sondas Magalhães e Pioneer montadas sobre um modelo esférico simulado por computador.

O material da primeira fase da 2ª etapa

Após mais uma leitura prévia nos fascículos correspondentes e juntadas as ferramentas e peças necessárias é hora de continuar a montagem do planetário.  Mãos à obra!

montagem_fase2_etapa1_1_pecas
Figura 4 – Ferramentas e peças para mais uma fase de montagem do planetário.

A montagem dos novos planetas, a partir de Vênus, necessitará efetuar a remoção temporária do eixo central da base do planetário, o que exige cuidado com as peças já montadas anteriormente.  O grau de dificuldade também aumenta, pois tudo tem que ficar perfeitamente encaixado para o correto funcionamento.  Leva um tempinho, exige concentração, mas é muito legal poder fazer tudo isso.  O cuidado maior é não perder nenhuma peça, pois não há reserva.  Algumas peças medem apenas 3 mm.

Vênus fazendo companhia a Mercúrio no Planetário

Após a inserção de Vênus, Mercúrio ganha companhia e já podemos contemplar os “planetas interiores” (aqueles que ficam mais próximos do Sol em relação a Terra).  Também já podemos rotacionar os planetas em torno do Sol e perceber a diferença de velocidade de translação entre Mercúrio e Vênus.  É muito legal poder ver na prática a fração do caminho percorrido por Vênus em sua órbita durante 1 ano do planeta Mercúrio. Smiley nerd

montagem_fase2_etapa1_2_venus
Figura 5 – Vênus inserido no Planetário, fazendo companhia a Mercúrio.  A engrenagem maior, na posição mais inferior, é a base de cálculo da rotação de todos os planetas e se refere ao planeta Terra, ainda não inserido.

A engrenagem gravada

A engrenagem gravada permitirá conhecer o Sistema Solar em uma determinada data, pois a mesma possui várias indicações que fazem parte de um esquema radial (denominado roseta) composto por 180 linhas separadas por intervalos de 2º, permitindo calcular o ângulo aproximado a partir do qual se olha e determina a posição real, considerando-se três datas chaves importantes: 1ª) a posição dos planetas segundo a Estrela de Belém; 2ª) a posição dos planetas em 1º de janeiro de 2000 (novo milênio); e 3ª) a posição dos planetas com a data da resolução do IAU (24 de agosto de 2006).

Abaixo o aspecto geral do planetário já incluindo o Sol, Mercúrio e Vênus.

montagem_fase2_etapa1_3_concluida
Figura 6 – Aspecto do planetário ao final da primeira fase da segunda etapa.

Mais uma fase concluída.  Agora é aguardar o recebimento dos próximos fascículos com as peças que faltam para a conclusão da próxima fase: o planeta Terra e sua Lua.  Não vejo a hora! Smiley piscando